novembro 17, 2009

19º Encontro de Gestação e Parto Natural e Consciente

Inscrições para o Encontro atráves do site: www.partonatural.com.br ou e-mail congressos@institutoaurora.com.br
Roda de Ciência do Início da Vida no Encontro - Inscrições na hora -

novembro 13, 2009

Mikhaël e a Ciência Iniciatica

Deunov alega que em 1914 iniciou-se a Idade do Aquário, e, portanto, o advento da Idade de Ouro, a era representada simbolicamente por um velho sábio que verte água de um cântaro, ou seja, a nova sabedoria, o novo sangue vital para a humanidade.

Durante esta época se revelaria o Terceiro Testamento para a humanidade. Podemos afirmar com Lejbowicz que Omraam Mikhael Aïvanhov, o Mestre da Grande Fraternidade Branca Universal, tenha herdado o sonho do povo búlgaro que vive nas raízes profundas da sua consciência: criar uma civilização universal, na qual se fundam o oriente e o ocidente, reconciliados.

A Missão de Deunov foi a de auxiliar o nascimento de um novo ciclo no domínio das eternas verdades espirituais.

Os Evangelhos e todos os grandes textos sagrados foram finalmente compreendidos e aplicados por meio da difusão do conhecimento e da aplicação dos métodos ensinados pela ciência iniciática. Tarefa igualmente partilhada por Aivanhov, pois o ideal que anima a ambos é ajudar a humanidade a realizar sobre a terra, e nos comportamentos individuais, o divino ideal que nos leva à idade de ouro que todos os profetas, santos e homens de boa vontade têm invocado ao longo dos séculos.

Constitui-se um elemento fundamental e indispensável como condição prévia para estas grandes aspirações, viver uma vida santa e exemplar. Não é preciso observar que, embora a cultura acadêmica diz respeito exclusivamente ao intelecto da pessoa, a cultura iniciática afeta todos os aspectos do homem-espírito, alma, intelecto, coração e vontade, implicando uma profunda coerência entre a vida, experiências, pensamentos , sentimentos e palavras. A orientação definitiva do saber iniciático de Mikhael levado à manifestação na matéria e não ao retiro ascético, virá de encontro à consagração de seu nome Omraam, recebido em 1959 na Índia:

Omraam é o símbolo de todo um processo de realização, a idéia invisível, impalpável, tem de ser encarnada na terra para o mundo inteiro pode vê-la e tocar-lhe. Neste nome estão reunidos os dois processos: Om representa a essência e a expansão, e Raam representa contração.

Por isso, é fácil compreender a grande admiração de Aïvanhov por Hermes Trismegistus. Constantemente o Mestre se detém sobre as palavras que contém os segredos iniciáticos da realização a que Hermes se refere na Tábua de Esmeralda: o que ocorre embaixo é como o que ocorre em cima, e o que é embaixo é como o que é em cima, de acordo com a lei da correspondência.

Assim como Deunov, Aivanhov atribui seus ensinamentos ao Mestre de todos os Mestres, Melchizedek, o executor da Paz e da Justiça.

A Ordem de Melchizedek é a verdadeira tradição do Amor, Sabedoria e Verdade expressa. É de caráter sagrado e misterioso, referido em alguns trechos de textos sagrados, por exemplo em Davi no Salmo 110, Hebreus 5 e 7 e em Gênesis 14. Sua importância é notável quando se considera que Jesus e Abraão pertenciam à mesma ordem, e que ela aparece sem genealogia, sem uma data de nascimento e morte, sinónimo do Filho de Deus ou do sumo sacerdote do Deus Altíssimo.

Outra figura importante para Aïvanhov é o Arcanjo Miguel. E diz que é o único capaz de vencer, o que as multidões têm suplicado ao longo dos séculos ao Criador. Com sua ajuda e proteção, a luz triunfará sobre as trevas. Foi predito e assim será. Por que não participar neste evento? Ao longo da sua actividade, Aïvanhov nunca deixou de chamar os seus discípulos para participar com o coração e pensamento neste grande trabalho de realização cósmica no qual todos os seres de luz e pessoas de boa vontade estão convocados.

É interessante notar como a última conferência de R Steiner, em 28 de setembro de 1924, refere-se a Arcanjo Miguel.

Neste sentido, portanto, tem sido possível a comunicação do conhecimento espiritual até agora guardado no mistério das comunidades esotéricas, com a chegada do Espírito do Tempo da entidade de Arcanjo Michael. É ele quem dá o impulso para o homem a conhecer os mistérios. O Espírito quer que o homem o reconheça em plena consciência e liberdade de escolha.

Os testos sagrados da Índia também contém informações significativas sobre os tempos em que vivemos, a chamada Kali Yuga ou Idade de Ferro, que revelam que, neste momento, a humanidade atingiu um perigoso ponto de partida do Céu, a espiritualidade. De acordo com estes textos, após a Idade de Ferro atingiremos uma nova Idade de Ouro, através da intervenção de um grande ser que terá que descer sobre a terra ajudado por outros discípulos – o avatar Kalki.

Fonte: http://rumoaosol.wordpress.com/

Breve Biografia - Omraam Mikhael Aïvanhov -

Omraam Mikhael Aïvanhov, nasceu nos alvores do século XX, em 31 de janeiro de 1900, em Serbzy, filho de uma família pobre de uma pequena aldeia na Macedónia ao pé do Babouna Planina, nome original Michael Ivanoff. Lá ele passou sua infância em uma Macedónia dominada pelos otomanos e afligido por lutas contínuas com os vilarejos próximos, turcos, gregos, sérvios e búlgaros. Em 1907 o vilarejo onde morava a família foi queimado pelos gregos nacionalistas e a família mudou-se para Varna, na Bulgária perto do Mar Negro.

Além disso a família passa por circunstâncias difíceis. Na idade de nove anos Mikhael perde o pai e assume responsabilidades familiares ajudando a mãe, que amou com grande amor e devoção, e seu irmãozinho. Desenvolve o trabalho do artesanato (ferreiro), o que permite a compra de uma pequena casa. A mãe, conhecida na região pela sua bondade e dedicação, é o primeiro modelo que inspira a sua conduta de vida. Ela também o incentivou quando passava dificuldades causadas pelos intensos exercícios espirituais praticados em tais uma idade precoce.

Mikhael, no entanto, frequenta a escola mas com pouco interesse em temas tradicionais. Tendo nenhum recurso financeiro para comprar livros da escola, dava uma olhada na lição aprendida nos livros emprestado de seus colegas. Tem desde criança uma forte atração para os livros espirituais: O Evangelho de João, O Livro dos Provérbios de Salomão ou Genesis. Jesus, em particular, representa uma grande fonte de inspiração para os seus pensamentos e sentimentos.

Torna-se um frequentador incondicional das bibliotecas onde encontra, apesar da situação social da Bulgária, os clássicos de todas as grandes religiões … Lê entre outros, os livros de Steiner, Blavatsky, Espinosa e Paracelsus.

Na idade de 13 anos descobriu lendo alguns livros, Buda, Mestres hindus e as técnicas yoguicas e de respiração Ramacharaka, às quais se ligou de maneira particular.

Quando criança Mikhael é liderado por um extraordinário desejo de melhoria, um alto ideal de ajudar a humanidade, e uma profunda necessidade de se atingir o pleno conhecimento das coisas, o que o levou a passar muito tempo lendo e praticando exercícios espirituais. Sente-se fortemente atraído pela pesquisa específica do mundo espiritual e poderes ocultos do homem. Experiencia técnicas de concentração , o poder do pensamento, o contato interior com o mundo invisível … estuda a luz, os efeitos da a luz e as cores derivadas.

Interiormente está convencido da presença do mundo invisível e busca nas formas da nartureza a chispa divina que dá origem às manifestações. Mais de uma vez sua mãe o encontra, já na idade de 4 anos, à beira das nascentes de água ou diante do fogo aceso. Água e fogo constituem desde sua primeira infância os dois elementos e símbolos que estarão constantemente presentes na sua vida e em suas palestras.

Desenvolve uma perspectiva única que lhe permite reconhecer e pensar as relações entre os fenômenos físicos e espirituais.”Ainda muito jovem, diz em uma conferência, lancei-me prematuramente em determinados exercícios de yoga, respiração, concentração … Foram dias e noites de estudo, meditação e jejum.” Uma experiência muito mística e física da qual falará mais sucessivamente.

Ao ensinar a importância do equilíbrio, nos diz que o verdadeiro entendimento não é conquistado com qualquer célula do cérebro, mas com todo o corpo, porque na realidade, é o prelúdio de uma outra experiência, a qual cita em várias de suas conferências: “Uma tarde aconteceu algo que não posso nunca esquecer… Eu estava em um estado meditativo quando surgiram dois seres: um de uma altura impressionante … respirava a força e poder, o seu rosto estava duro e olhos escuros, era como uma aterradora visão. O outro, um ser radiante e bonito, cujos olhos expressaram a imensidão do amor divino … E foi como se eu tivesse que fazer uma escolha … Fiquei impressionado com o poder do primeiro, mas no meu coração eu tinha medo, porque era algo terrível, então deixei-me atrair pelo outro, e eu o escolhi porque tinha os traços do Cristo, a imagem de doçura, de bondade e do sacrifício.”

Mikhael fez sua escolha definitiva: trabalhar com a Luz e colocar-se à serviço da Luz!

Essa experiência que o mestre viveu tão intensamente na sua juventude, de fato, de forma muito sutil é reproduzida em todos os homens. Todos nós somos confrontados com tais escolhas, somos induzidos a cumprir na vida escolhas de valores sem estar ciente disso e negligenciar as consequências.

“O Criador deixou suas criaturas livres; deve-se portanto, compreender a direção que se deve tomar para se desenvolver. Eu pergunto: Por quê? Não seria melhor que Deus se impusesse aos seres humanos ditando o comportamento a seguir? Não, é você quem deve descobrir onde realmente o seu interesse reside, sua tarefa é a de perceber porque é melhor tomar uma direção ou fazer uma escolha em vez de outra. Necessitam realmente estar convencidos disto. O que ganhariam se fossem realmente empurrados contra sua vontade, ao caminho da bondade e da luz? Muito pouco. Portanto, O Criador e os espíritos celestes dão ao homem plena liberdade já que lhe corresponde entender e sentir por sí próprio seu melhor caminho.